segunda-feira, 21 de maio de 2018

Altaneirense é bicampeão estadual pela NABBA Ceará

0 comentários


Altaneirense é bicampeão estadual pela NABBA Ceará. 
(Foto: Reprodução/Facebook).

A Faculdade Estácio de Sá (FIC), em Fortaleza sediou na tarde deste sábado, 19, o Campeonato Estadual Cearense NABBA. O evento é uma seletiva para o Campeonato Brasileiro NABBA e WFF e NORTE/NORDESTE NABBA e WFF. O primeiro ocorrerá entre os dias 26 e 27 deste mês em Florianópolis, Santa Catarina e o segundo se dará no dia 18 de Agosto em Natal, Rio Grande do Norte.

O atleta altaneirense Orlando Saraiva Landim Júnior participou da competição para defender o título e sagrou-se bicampeão de Fisiculturismo.  A informação foi divulgada por ele próprio na manhã desta segunda-feira, 21, em sua conta no facebook.

Em nota, Landim afirmou que se sente honrado em ter conquistado mais um troféu e agradeceu a todos que caminharam junto “nessa empreitada”. “A minha amada mãe por sempre estar presente me fortalecendo nas mais difíceis caminhadas”, disse. Os agradecimentos também foram externados ao seu amigo e treinador, Ávila, “pelos ensinamentos e por sempre está pronto” para lhe atender e ajudar, ao trabalho desenvolvido pela equipe de fisioterapia pela disposição e o ótimo atendimento deixando sua musculatura sempre pronta para aguentar os trancos dos treinamentos intensos, dentre outras profissionais e amigos e amigas.

Landim também é Campeão Norte/Nordeste de Fisiculturismo, tendo disputado o título com atletas brasileiros e representantes de países como Argentina, África do Sul, Coréia, EUA, Itália e Peru.

Abaixo integra da Nota

Na tarde deste sábado tive a honra e o privilégio de mais uma vez ser consagrado campeão cearence pela @nabbaceara . Deixo aqui meus fortes e sinceros agradecimentos a todos que caminharam junto comigo nessa empreitada .primeiramente a Deus 🙌 pois é dele toda honra e glória. A minha amada mãe por sempre estar presente me fortalecendo nas mais difíceis caminhadas . @pd_avila meu Coach e amigo pelos ensinamentos e por sempre está pronto para me atender e ajudar. Afinal quem sabe sabe ! 😏 . @jkfisioterapia pela disposição e o ótimo atendimento deixando minha musculatura sempre pronta para aguentar os trancos dos treinamentos intensos . As meninas do @fisio.octie pelas excelentes drenagens linfáticas que em muito me ajudam na fazer de finalização . A @aristides_mtfitness do meu grande amigo Aristides por sempre acreditar no meu potencial @marionutrishop que sempre me fornece suplementação com os melhores preços do mercado. Em especial também a @flaviotopfitness e @valdivino_ribeiro dois irmão que esse esporte me deu . Por me acompanharem na viajem auxiliando em todos os momentos na pintura, na alimentação em tudo ! E a todos os que torcem por mim,me acompanham nas redes sociais , que sempre me fortalecem com palavras de incentivo . A todos vocês o meu MUITO OBRIGADO”.

Continue Lendo...

Igualdade e inclusão das pessoas trans: o éden que queremos ver

0 comentários


(Foto: Seaturle/CC).

Vivemos em tempos de zero afetivo. A expressão, criada pelo filósofo francês Jean-Paul Sartre, em seu "Esboço Para uma Teoria das Emoções", aponta para uma época em que o sofrimento é banalizado. Recusamo-nos a vivenciar a dor e o sofrimento, que é a agonia resultante das injustiças sociais.

Palco da banalização do sofrimento e em tempos de zero afetivo, o corpo é visto como fonte de prazer. A tecnologia avança, o que possibilita ainda mais prazeres. Porém, a educação que forma pessoas aptas a desenvolver tamanha tecnologia também forma humanos particulares – que se preocupam apenas com eles mesmos – em detrimento de humanos universais – os que, de fato, preocupam-se com questões sociais. O resultado é que estamos nos divertindo mais, "transando" mais, porém, com menos afetividade. Estamos vivendo mais, contudo, desorientados.

A existência humana transformou-se em violenta luta pela sobrevivência, a partir de processos de desumanização. Aqui, minorias sociais são percebidas como subalternas, até mesmo como não-pessoas: caso, por exemplo, do dramático cotidiano de pessoas trans e travestis no Brasil.

O pensamento dominante na sociedade brasileira encontra na identidade de gênero de pessoas trans e travestis o componente para legitimar a violência. Na prática, isso impossibilita o acesso de cidadãos e cidadãs trans à formação educacional mínima para sequer ingressar no mercado convencional de trabalho. Aliás, desde que começam a assumir sua identidade de gênero, travestis e transexuais passam a ser "proibidas de viver".

Dados da Rede Nacional de Pessoas Trans no Brasil (Rede Trans), mostram que nosso país é líder mundial em mortes dessa população: em 2017, ocorreram 179 assassinatos – média de uma morte a cada dois dias. Outro aspecto alarmante se refere à educação: 82% de mulheres transexuais, travestis e homens trans abandonam a escola entre 14 e 18 anos, por não mais suportarem as pressões e agressões diárias e a ausência de amparo familiar.

Em uma sociedade pouco leitora e com uma mídia dominada por meia dúzia de famílias e suas próprias conveniências, a perseguição a quem é "diferente" está cada vez mais naturalizada. É comum pessoas trans e travestis estarem em “reportagens” que as julgam negativamente sem direito de defesa, exibindo seus corpos seminus como se tivessem "nascido para a prostituição".

Porém, são raras as matérias e artigos que publicizam as razões para que 90% de travestis e transexuais do país atuarem como profissionais do sexo, conforme pesquisa da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA). Muito dessa atmosfera de intolerância dos veículos tradicionais de informação é financiada por líderes religiosos fundamentalistas, proprietários ou financiadores da mídia tradicional que são

Ante tal arena e tanta violação de direitos, como o direito a um trabalho digno e ao de utilizar banheiros de acordo com o gênero com que se identifica, resta àqueles que escolheram ser "humanos universais" se posicionar. Que o sofrimento de travestis e transexuais se estenda aos que, indignados com a transfobia, passem a agir socialmente, combatendo o crescente estado de exceção que se instaurou no Brasil, desde o impeachment de uma presidenta democraticamente eleita.

O golpe de 2016 tem, entre tantas fisionomias medonhas, a face da transfobia. Nesses termos, pessoas cis genuinamente preocupadas com tal conjuntura devem contribuir para o debate político, e, consequentemente, para a visibilidade, a garantia de direitos e o respeito a pessoas não-cis.

As pessoas trans e travestis, com suas histórias de superação, incentivam pessoas cis que querem ser humanos universais, a viver de forma positiva com as diferenças. Sobretudo os homens cis héteros, como o autor deste texto: é hora de pensar – e agir – em prol do enfrentamento da discriminação e do preconceito que atingem essa população. Basta de intolerância.

É preciso participar da construção de uma sociedade inclusiva, democrática, que acolha as diferenças e singularidades, que acolha também os que contrariem a regulação moral imposta pelos poderosos.

Esse é o Eden que devemos buscar, não aquele em que os "diferentes", que são também os mais vulneráveis, são expulsos e muitas vezes perdem a vida tragicamente.

Do contrário, continuaremos presos à lógica resumida na frase da psicanalista Melanie Klein (1882-1960): “quem come do fruto do conhecimento, é sempre expulso de algum paraíso”.
___________________________________________________________________________
Por Armando Januário, na RBA. Ele sexólogo e pós-graduado em Literatura Brasileira.

Continue Lendo...

Altaneira será pela 5ª vez a capital do Ciclismo de Montanha (MTB)

0 comentários


Cartaz do Desafio 3 Horas MTB de Altaneira divulgado nas redes sociais. (Reprodução/ Blog de Altaneira).

Pelo quinto ano consecutivo, no primeiro domingo de junho (03/06), Altaneira se transforma na capital do Ciclismo de Montanha (MTB) e receberá mais uma vez os melhores ciclistas da região do Cariri e vários ciclistas de outros estados nordestinos para a disputa do Desafio 3 Horas MTB de Altaneira que será realizado no circuito da Trilha Sítio Poças, localizado nas margens da Rodovia CE-388 que liga Altaneira a Nova Olinda.

Em reunião virtual da direção da Associação dos Ciclistas de Altaneira (ACICA) realizada na manhã de ontem (19/05) foi aprovado o Regulamento do Desafio,  composta a Comissão Organizadora e nomeado o Diretor de Prova, que pelo quinto ano seguido ficará a cargo Carlos Alberto Pereira Filho, popularmente conhecido por Betinho.

A competição distribuirá medalhas para todos os participantes, troféus para os cinco primeiros colocados na classificação e os três primeiros colocados em cada categoria. Este ano não haverá premiação em dinheiro.

Assim como nos anos anteriores a disputa será exclusivamente no circuito da Trilha Sítio Poças, com extensão de 4.700 metros e a cronometragem será através de um moderno sistema de chips possibilitando mais segurança, confiabilidade e rapidez na hora de apurar (cronometrar o tempo de cada competidor) e concluir o resultado do Desafio.

As inscrições serão realizadas exclusivamente no portal da Cronos Cariri e os ciclistas receberão o resultado imediato da classificação por meio do correio eletrônico ou via SMS. (Com informações do Blog de Altaneira).


Continue Lendo...

domingo, 20 de maio de 2018

Prefeito de Altaneira e Secretário de Governo reiteram sugestões para execução da Revitalização da Lagoa Santa Tereza

0 comentários


Prefeito de Altaneira e Secretário de Governo no IEPRO. (Foto: Divulgação).

Sonho antigo de muitos altaneirenses, o Projeto de Urbanização e Revitalização da Lagoa Santa Tereza parece ser ainda apenas uma utopia. Muitos passos foram dados - inclusive com mobilização e apoio de entidades que protocolaram documentos no Fórum Local -, mas até agora nada de concreto.

Circulou no portal oficial do município de Altaneira na manhã deste domingo, 20, a informação de que outros direcionamentos foram efetivados junto ao Instituto de Estudos, Pesquisas e Projetos da Universidade Estadual do Ceará – IEPRO, em Fortaleza. Conta que foram apresentadas demandas e solicitações de elaboração de projetos por meio da parceria firmada ainda em novembro do ano passado por meio do Termo de Cooperação Técnica celebrado entre o Governo de Altaneira e a FUNECE com a interveniência do IEPRO.

O Secretário de Governo do Município e autor do projeto, Deza Soares, chegou a explicar a ideia da urbanização e revitalização e frisou acerca das três etapas fundamentais, a saber, Reconhecimento e Registro da Lagoa como patrimônio ambiental, histórico e cultural de Altaneira; Projeto de Manejo com Design sugestivo e fundamentação estrutural do Projeto de Manejo (Infraestrutura básica com desassoreamento, despoluição, saneamento, canal de escoamento) e Infraestrutura de Revitalização e Urbanismo com implantação de Parque Ecológico, Arborização, passeio público, áreas de lazer, fonte monumental, centro cultural, avenida no entorno, entre outras ações) e Encaminhamento do Projeto aos órgãos competentes visando recursos para execução.

Ainda de acordo com o referido portal, o secretário argumentou sobre a importância do projeto para os munícipes, principalmente no que pese a prática do lazer e bem estar social e que se executado irá impulsionar o eco turismo.

Já o prefeito Dariomar Rodrigues (PT), voltou a ressaltar a necessidade de se incluir na ideia original a construção de trecho complementar da Rodovia CE 388 que liga Nova Olinda, Altaneira e Assaré, no sentido de que esse trecho seja construído passando às margens da Lagoa e consequentemente, desobstruindo as vias: Av. Santa Tereza, R. Apolônio de Oliveira e Av. Carneiro de Almeida. O portal informa também que o gestor cobrou urgência na elaboração do projeto.

As sugestões foram bem aceitas pelo Diretor-Presidente do IEPRO que afirmou ser viável sua execução.


Continue Lendo...

Ataques a direitos humanos é tentativa de manter pacto colonial, dizem ex-ministros

0 comentários


(Foto: Reprodução/RBA).


História, avanços e retrocessos no Brasil e no mundo foram temas do debate sobre a desconstrução dos direitos humanos, realizado na Universidade Federal do Paraná (UFPR), na noite de sexta-feira (18), que contou com a presença dos ex-ministros Paulo Vannuchi e Nilma Lino Gomes.

Nilma, que foi ministra da Igualdade Racial e Direitos Humanos de Dilma Rousseff, avalia que os ataques aos direitos humanos ocorrem não apenas no Brasil, sendo uma onda internacional. "Principalmente em países latino-americanos e africanos", exemplificou.

Segundo ela, nestas nações há uma tentativa de manutenção de determinado status quo. "Existem forças colonizadoras dominantes que nunca aceitaram sair deste lugar, sempre tentaram manter um laço colonial, mas hoje um laço colonial do século 21", afirmou.

Estes ataques, embora tenham crescido no Brasil após o golpe de 2016, já existiam, ou ao menos ocorreram tentativas, conforme lembra a ex-ministra. "Também vivemos tensões durante todo o tempo em que estive no ministério. Existia muita pressão de setores conservadores e fundamentalistas para não aprofundarmos pautas como questões quilombolas, raciais, LGBTI, entre tantas outras", recordou.

Os avanços obtidos ao longo dos últimos anos, segundo ela, são frutos de ações de um governo "democrático e popular". "Estes temas são considerados questões sociais que demandavam resposta do estado, tornavam-se temas propositivos. Hoje estas pautas são vistas como entraves", disse a ex-ministra.

Embora ações de desconstrução dos direitos humanos sejam políticas de governo, de um projeto de Estado, elas igualmente encontram apoio em setores da sociedade, como explica Nilma. "Quando esta leitura conservadora é implantada, estas análises que demonizam os direitos humanos encontram eco em uma parcela da sociedade, em setores da classe média, na elite e inclusive em alguns setores populares", lamentou.

O retorno do Brasil ao Mapa da Fome, a aprovação da "Reforma" Trabalhista, que fragiliza ainda mais as relações de trabalho e atinge diretamente mulheres e jovens, a PEC do Teto de Gastos Públicos e a própria intervenção militar no Rio de Janeiro, são golpes nos direitos humanos, avalia a ex-ministra.

No caso da presença do Exército nas ruas da capital fluminense, especialmente, Nilma avalia os reflexos sociais. "Não é apenas o direito de ir e vir, mas o reforço da ideia de que os sujeitos considerados suspeitos são os que estão nas vilas e favelas onde o Exército está. Quando se faz isso, reforça-se a ideia de que esses sujeitos são considerados 'suspeitos número um' e eles devem ser exterminados", exemplificou.

Assassinatos de lideranças como a (vereadora) Marielle (Franco, do Psol-RJ, assassinada em 14 de março), segundo a ex-ministra, são reflexos destas políticas e também são um recado. "É uma mensagem para quem luta pelos direitos humanos. Esta mensagem está sendo transmitida das formas mais diversas para nós neste momento. É uma mensagem de morte", completou.

Modelo em xeque

O ex-ministro dos Direitos Humanos de Lula, Paulo Vannuchi, por sua vez, recordou as lutas que envolvem o tema ao longo da história. Desde Zumbi dos Palmares, passando pela resistência contra a ditadura e o movimento pelas Diretas Já, lembrando também a morte da vereadora carioca.

Vannuchi também citou o movimento estudantil durante a ditadura civil-militar, do qual identificou José Dirceu como uma das principais lideranças. O ex-ministro recordou, no momento do debate, que Dirceu poderia estar a caminho de Curitiba, um dos possíveis locais de sua detenção. "Foi condenado a 30 anos de prisão, pena que nenhum serial killer teve no Brasil, nenhum torturador do DOI-CODI que violentou mulheres. Aliás, o discurso para o prender foi de 'para não favorecer a impunidade'. Mas vem, coincidentemente, de quem sempre se opôs à punição destes torturadores."

O ex-ministro também analisou os avanços dos direitos humanos ao longo dos últimos governos desde a redemocratização e aproveitou para comentar a afirmação de que "não há liberdade sem igualdade e não há igualdade sem liberdade".

Segundo Vannuchi, é impossível uma sociedade com liberdade, igualdade e fraternidade em um modelo capitalista. "Caso teu tenha uma empregada e entregue para ela metade do meu salário, ainda assim não seremos iguais. Eu serei patrão. Uma sociedade assim só poderá ser construída desde que deixe de existir a exploração da força de trabalho de um ser humano por outro", concluiu. (Com informações do Porem.net e RBA).

Continue Lendo...

sábado, 19 de maio de 2018

General Theophilo será apresentado como pré-candidato ao Governo do Ceará por Tasso Jereissati

0 comentários



O senador Tasso Jereissati (PSDB) irá apresentar oficialmente na próxima segunda-feira, 21, o General Theophilo como representante dos tucanos na disputa ao Executivo estadual. Até agora, o militar é o principal nome na oposição ao governador Camilo Santana (PT), que irá tentar a reeleição.

"Estive reunido ontem com o Senador Tasso Jereissati. Tomei a decisão de entrar na política porque acredito na democracia, que é possível mudar o Ceará a partir da aliança das pessoas de bem, em um movimento renovador, fazendo que o Estado e os políticos voltem a cumprir seu propósito maior que é o de servir às pessoas e não a si mesmos", comunicou o general no Facebook.

Theophilo tem passagem por setores estratégicos para a segurança nacional. Ele também tem experiência no combate ao tráfico de armas e drogas e controle das fronteiras. Até março, comandante de logística do Exército, o general possui histórico com as Forças Armadas que vai muito além dos 45 anos de serviço. Filho do general de brigada Manoel Theophilo Gaspar de Oliveira Neto, o pré-candidato pertence a uma das mais tradicionais famílias do Exército, com atuação desde o Império. (Com informações do O Povo).

Continue Lendo...

Só complexo de vira-lata explica a adoração do brasileiro pelo casamento do príncipe Harry

0 comentários


(Foto: Reprodução/ DCM).

Muita gente boa já falou que somos, no fundo, monarquistas.

Isso explica a quantidade de reis e rainhas que temos, do futebol à música popular, passando pelo pastel e pelas batidas.

E ajuda a explicar o sucesso que aquela gente jeca da família real britânica faz no Brasil.

O casamento do príncipe Harry com a atriz americana Meghan Markle foi transmitido ao vivo (!?!) da Capela de São Jorge, no castelo de Windsor.

Comentamos sobre a lista de convidados. Lady Di, a trágica princesa chata de galocha, é lembrada.

Aparentemente, é incrível o fato da mãe de Meghan ser negra. Sinal dos tempos. Acabou o racismo. Viva.

Toda a mídia cobre como se fosse Copa do Mundo. O G1 consegue falar em “tradição e modernidade”, uma fórmula vagabunda que serve para qualquer coisa.

Se a adoração dos ingleses pela casa de Windsor é patética, imagine a dos brasileiros — de resto, considerados, pela turma, selvagens monoglotas que ainda estão descendo das árvores.
Meghan Markle é apenas o novo membro de uma família antiga, feia, rica, disfuncional e com velhos laços com nazistas. Boa sorte para ela.

Em 2011, o jornalista e escritor Christopher Hitchens tentou avisar Kate Middleton para se afastar desse pessoal. Kate estava para desposar William, irmão de Harry.

Artigo de Kiko Nogueira, do DCM. Clique aqui e confira na íntegra.

Continue Lendo...

Premio “Escola Nota 10” de Nova Olinda é contestado

0 comentários


Imagem capturada do vídeo da fanpage "Secretaria de Educação de Nova Olinda ", no Facebook.

Na última quinta-feira, 17, em solenidade no Centro de Eventos do Ceará, em Fortaleza, o Governo do Estado do Ceará condecorou 332 escolas cearenses com melhores desempenhos em alfabetização e no Ensino Fundamental em 2017.

O município de Nova Olinda, na região do cariri, participou do evento e foi premiada a partir de quatro escolas “Nota 10”, a saber, José Liberalino da Silva, Alvim Alves e Reunidas Santo Expedito.

O fato foi comemorado por professores e professoras que externaram as felicitações em redes sociais.  

Professora com orgulho!!!! Premiação Escola Nota 10!”, escreveu em sua conta no Facebook Marta Renha, que leciona na Escola Alvim Alves.  Aparecida Pereira enveredou pelo caminho do comprometimento coletivo. “Escola nota 10- João Paulo II ANEXO DA ALVIM ALVES /2 ano com muito trabalho, amor, dedicação e uma equipe comprometida”. (Assim mesmo em caixa alta).

Mas nem só de comemorações vive a educação de Nova Olinda. O estudante de Psicologia no Centro Universitário Leão Sampaio (Unileão), Anderson Felix, também usou as redes sociais para questionar a premiação em nota lançada nesta sexta-feira, 18.

O universitário classificou a premiação como “abuso exposto por profissionais da educação” que, segundo ele, estão colhendo “uma nota inválida”. Anderson faz vários questionamentos para elucidar sua crítica aos resultados obtidos junto Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica (Spaece).

“Onde está sua consciência?
Vocês dormem sabendo que alunos não sabem ler um livro por sua irresponsabilidade?O registro fotográfico, no momento não fazem vocês chorar com a tragédia que vocês causam ?”, indagou.

Ele foi taxativo ao afirmar que o fato sob sua análise “é um transtorno profissional, uma banalização do saber” e realça que não é formado, “ainda”, “mas saibam que eu consigo alfabetizar um aluno. Eu não sou completamente da educação, porém ela me fascina”, destacou.

Ao voltar a indagar se o salário recebido por eles/as era digno, Anderson fez duras críticas ao frisar que irá “abordar essa lástima situação” em livro que está a escrever. “Me maltrata ouvir e ver essa situação”, pontuou.

A nota do universitário foi rechaçada pelas professoras Aparecida Pereira e Luciana Mello.

Desafio aqueles que não sabem e ou nunca lecionaram numa sala de alfabetização alcançarem esses resultados de acordo com os critérios do Programa MAISPAIC/ESCOLA NOTA 10 para falar com mais propriedade, ética e menos ideologia.
Que possamos usar o poder das palavras para construir, respeitar, com uma postura adequada em qualquer situação. Que o amor quebre todas as forças negativas. No momento não sou só uma nota 10, sou professora que trabalha com amor e respeita todas as profissões”, argumentou Aparecida.

Você é uma prova viva que a educação é real pois pelo texto que escreveu foi bem alfabetizado na sua infância. Sou pedagoga e professora inclusive nota 10 com orgulho, estás convidado a visitar nossa escola e conhecer nosso trabalho para rever o tão quanto és difícil alfabetizar uma criança e tao fácil criticar quando se conhece tamanha responsabilidade e trabalho dentro de uma sala de aula”, comentou Luciana.

Já Davi Damasceno mencionou o tratamento de professores/as - mas sem fazer citações -, a alunos/as. “Conheço um bocadinho de professor que tratam os alunos com uma arrogância de matar”, escreveu ele.

Até o fechamento desta matéria a Secretaria Municipal de Educação ainda não havia se manifestado acerca da nota de Anderson (disponível na íntegra abaixo).


___________________________________________________________________________
A redação do Blog Negro Nicolau (BNN) informa que está a disposição caso a Secretaria Municipal de Educação queira usar este espaço para se posicionar, como também aqueles/as cidadãos/ãs que desejem falar a favor ou contra a premiação “Escola Nota 10”.






Continue Lendo...

Escolas ensinam jornalismo por meio da diversidade e do olhar periférico

0 comentários


Formatura da turma de 2017 da Énois. 'Fico feliz por não precisar ter feito uma graduação para dizer que sou jornalista', diz  Jeferson, um dos formandos. (Foto: Reprodução/ Facebook/Énois).

Com um método de ensino voltado ao olhar da comunidade, escolas como a Énois e a Você Repórter da Periferia vão além dos padrões dos jornais tradicionais e seus estereótipos, levando diversidade e perspectiva para os jovens. Essa é a definição que seus integrantes e ex-alunos dão aos cursos.

Jornalista e co-fundadora da Énois, Amanda Rahra explica que é importante ensinar o aluno a ter seu primeiro olhar voltado à periferia. "A agenda pública é importante para o jornalismo, mas o jovem não está representado", diz ela, que defende a diversidade de pauta como um método para disputar a narrativa com os veículos tradicionais.

A Énois completará 10 anos em 2019. Fundada também pela jornalista Nina Weingril, a escola possui um portal online com cursos gratuitos apresentados por meio de videoaulas, instrutores especialistas e materiais de referência em um formato de tutorial, inovando a linguagem utilizada para a educação online. A plataforma conta com mais de 4 mil alunos cadastrados, além dos 500 jovens que já se formaram presencialmente desde 2009.

Jeferson Delgado é um dos jornalistas formados pela Énois, onde ele diz que "se descobriu". Antes, trabalhava como vendedor de bebidas alcoólicas, quando soube da escola. "Nunca fui de estudar, odiava a matéria de português na escola. Porém, eu já fazia jornalismo por conta do meu canal no YouTube, o Favela Business. Nesse momento percebi que eu já praticava jornalismo, com as entrevistas e a apuração do canal, isso tudo sem nunca ter pisado numa faculdade", conta.

O curso Você Repórter da Periferia, do Coletivo Desenrola e Não Enrola, é outro que forma comunicadores e está com inscrições abertas para uma nova turma até o próximo dia 22. Julia Cruz, estudante de Jornalismo e integrante do coletivo, diz que as aulas são marcadas por três sentidos: a identidade, o território e repertório.

"Se você vai pautar a periferia, sempre se fala da violência, falta de políticas públicas etc, mas a gente sai da dinâmica engessada das universidades. Falam que nós ensinávamos a fazer 'jornalismo comunitário', mas não é isso, nós pautamos o jornalismo por meio das periferias e para elas", explica.

Diploma?

Um dos desafios das duas escolas é abrir o espaço de fala para o jovem periférico. Com pouco espaço dentro das faculdades, os projetos servem como um estímulo para que continuem a estudar depois de concluir o ensino médio.

"Nós somos desestimulados todo o tempo ouvindo que não temos que estar nas universidades. Os jovens estão no ensino médio e acham que devem sair de lá e arrumar um emprego, mas não é isso. Nós mostramos outras alternativas. A gente vê o pessoal falando que quer entrar na faculdade, estamos levando uma perspectiva de vida melhor", relata Julia.

A co-fundadora da Énois acrescenta que essas escolas são uma plataforma de expressão para a juventude. "Eles têm uma vivência em um mundo que é mais urgente, e podem usar esse conhecimento no jornalismo, que é uma leitura de mundo, já que nem todos podem chegar na faculdade."

Jeferson, que já publicou matéria no portal UOL e também escreve para o site do Kondzilla, maior canal brasileiro do YouTube, diz que pode falar de assuntos próximos com mais propriedade. "A galera que lê o texto se enxerga lá. Fico feliz por não precisar ter feito uma graduação para dizer que sou jornalista", descreve.

Amanda acrescenta que o jornalismo no Brasil é feito por uma maioria de homens brancos, e a ideia do diploma mantém esse padrão. "Isso é reserva de mercado, é manutenção de privilégios. Deveriam existir outras escolas de jornalismo, não pode ser um conhecimento restrito", critica.

Ela lembra que a falta de diploma não desqualifica o trabalho, já que a Énois produziu diversos materiais importantes, como o Prato Firmeza, o primeiro guia gastronômico das periferias de São Paulo, o documentário sobre jovens imigrantes “Cara do Mundo, Cara de Sampa”, além de diversas reportagens.

"Ter uma equipe com pessoas que possuem ideias, cores e histórias diferentes faz você entender o outro. Isso amplia a capacidade de se desenvolver. A gente empurra o mundo para a frente quando apoia o jovem dentro de um jornalismo diverso", conclui Amanda. (Com informações da RBA).

Continue Lendo...

sexta-feira, 18 de maio de 2018

Avaliada em português e matemática, escola altaneirense é condecorada com prêmio “Escola Nota 10”

0 comentários


Avaliada em português e matemática, escola de Altaneira é condecorada com prêmio "escola nota 10".
(Foto: Italo Duarte).

Em solenidade realizada nesta quinta-feira, 17, no Centro de Eventos do Ceará, em Fortaleza, professoras e professores da rede pública municipal de Altaneira, acompanhados do prefeito Dariomar Rodrigues (PT), do vereador Valmir Brasil (PDT) e dos secretários de educação, de governo e de assistência social, Leocádia Rodrigues, Deza Soares e Lan Alencar, respectivamente, participaram da 10ª Edição do Prêmio “Escola Nota 10”.

Pela terceira vez, Altaneira foi condecorada com a EMEF Joaquim Rufino de Oliveira. A iniciativa faz parte do Programa de Aprendizagem na Idade Certa (Mais Paic), que segundo a Secretaria Estadual de Educação (Seduc), é responsável por reduzir de 32% para 0,7% o índice de crianças não alfabetizadas na idade certa no período de uma década.

Vale destacar que a premiação tem como base os resultados da alfabetização ao término do 2º ano, como foi o caso da Joaquim Rufino de Oliveira, e das disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática, ao final do 5º e 9º anos, tendo como base informações do Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica (Spaece).

A educação de Altaneira receberá a partir da premiação cerca de R$ 2.000,00 (dois mil reais) por cada estudante avaliado. O pagamento será feito em duas parcelas, sendo a primeira correspondente a 75% do valor total após aprovação da Seduc e segunda será disponibilizada às escolas que atenderem às seguintes condições, a saber, comprovação da execução da ação de cooperação técnico pedagógica com as escolas que tenham obtido os menores resultados; manutenção ou elevação dos bons resultados obtidos e melhoria dos resultados da escola apoiada.

O clima era de euforia na comitiva de Altaneira na capital que usaram as redes sociais para publicarem vídeos e fotos do evento, inclusive com o governador Camilo Santana (PT) e o ex-secretário estadual de educação, Idilvan Alencar.

Em um vídeo de pouco mais 20 (vinte) segundos, o prefeito Dariomar agradeceu a diretora da Escola condecorada, a professora Regigleide, e a todos os funcionários pela conquista. “Altaneira é nota 10”, disse o gestor acompanhado de professores, secretários e estudantes.





Continue Lendo...